Você está esperando que o tempo faça algo por você ?

No último domingo (07), li um livro que há muito tempo estava em minha lista, uma obra incrivelmente interessante no sentido de exercitar a nossa autoconsciência em relação ao entendimento das nossas ações – e seus porquês.

Falo de “Por que Fazemos o que Fazemos”, do autor Mário Sérgio Cortella.

Com uma abordagem interessante, Cortella comenta que passamos a maior parte de nossas vidas trabalhando. Logo, o que você faz, a sua carreira, tem uma importância enorme e merece uma reflexão maior.

Desde o dia 30 de março, quando escrevi sobre “As lições que aprendi quando encontrei meu propósito de vida”, tenho recebido alguns e-mails de pessoas que estão passando pelo mesmo momento que eu passei.

Vejo muitas pessoas vivendo uma vida no piloto automático e sem um verdadeiro significado, apenas vendo o tempo passar e esperando que algo milagroso aconteça e que, num estalo de dedos, as coisas mudem.

O tempo é um dos bens mais preciosos que temos. Não conseguimos recuperar o tempo perdido. A frase e o vídeo abaixo exemplificam isso.

“Quem mata o tempo não é assassino, mas sim um suicida, mata a si mesmo e sonho de muitos que estão ao seu lado e muitos do que virão”

Reflexão do tempo

Autoconsciência

Vejo pessoas passando boa parte do tempo tentando ser quem elas não são e mentindo para si mesmas.

A autoconsciência traz para si a verdade. Nos mostra quem realmente somos. Através dela reconhecemos as nossas qualidades e, de maneira igualitária, também os nossos defeitos.

Esse aprendizado facilita o processo de apostar todas as nossas fichas em nosso potencial e em nossas qualidades, sendo honestos com nós mesmos.

Autoconsciência

Cortella fala ainda de quando reclamamos da falta de tempo, da rotina que algumas vezes tira o nosso prazer no dia a dia e como devemos ter consciência do que estamos fazendo e, claro, porque estamos fazendo aquilo.

Vida com propósito

Imagine uma segunda feira. Você acorda com o toque do despertador e tem uma dificuldade enorme para levantar.

Poder ser um indício de que você teve um final de semana muito agitado. Uma viagem extremamente cansativa, talvez.

Ou pode ser que você esteja estressado.

Há uma grande diferença entre as duas hipóteses e precisamos prestar atenção aos sintomas. O cansaço é resolvido com algumas horas de sono. Dormir mais cedo do que o habitual, por exemplo, ajuda bastante.

Já o estresse precisa ser analisado. Você precisa entender o motivo pelo qual ele está ocorrendo e, se possível, cortar aquilo da sua vida.

Abaixo, alguns indícios de que talvez você não esteja no caminho certo.

1 – Exaustão total

Nosso estado mental tem total relação com nosso corpo. É um sistema: o mau funcionamento de um afeta o outro.

Quando temos uma mudança repentina de humor, sempre é interessante questionarmos a origem disso.

Isso fará com que você identifique o que pode ser responsável por essa mudança de comportamento.

2 – Procrastinação

Se por acaso você tiver um trabalho que não goste de desempenhar, mas precise fazer, seguramente levará mais tempo para finalizá-lo do que de costume.

Quando isso ocorrer, faça um exercício de reflexão:

Isso irá me fazer bem? Se eu continuar o fazendo, fará sentido?

Dependendo das respostas, pode ser um sinal que está no caminho errado.

3 – Estresse

Dependendo da frequência, aqui vai um sinal de alerta.

Quando você perceber que isso está acontecendo, pare imediatamente de fazer o que está fazendo, procure um lugar calmo e respire fundo por 1 minuto.

Questione a si mesmo se todo aquele estresse e aquela raiva acumulada valem a pena. Através da resposta você terá uma ideia mais clara do que fazer.

O título do livro é o questionamento que devemos fazer quando o estresse aparecer: Por que fazemos o que fazemos?

A importância do propósito

Hoje temos uma geração que nasceu observando os comportamentos de seus pais e avós, que trabalharam muito durante a vida para obterem recursos, constituírem suas famílias e, assim, deixarem um legado para as próximas gerações.

A questão hoje é: Precisamos trabalhar tanto ao ponto de ficarmos sem tempo para aproveitarmos o que construímos?

Segundo o autor, uma vida com propósito é aquela em que entendemos as razões pelas quais fazemos o que fazemos e – e também o oposto.

Esta relação com trabalho tem gerado algumas mudanças. O reconhecimento se tornou uma questão chave em relação ao sentido do “fazer”. Precisamos entender o que estamos fazendo para que isso tenha sentido. Precisamos ter, acima de tudo, consciência do que estamos fazendo.

O propósito é também uma das coisas que nos diferencia dos robôs. Se você não sabe o motivo pelo qual faz algo, está alienado, isto é, perdeu a si mesmo. Agir no automático tira o senso de realização.

A rotina e a monotonia

Por vezes nossa ideia de rotina está ligada a seguir padrões, como se agíssemos no piloto automático, mas essa é uma ideia equivocada.

A rotina nos permite criar uma atividade de forma organizada e inteligente.

Pense que você está num avião: Todas as ações da tripulação são baseadas numa rotina, certo?

Na rotina ocorre um procedimento padrão que chega num processo final.

O problema aqui ocorre quando encontramos a monotonia.

Quando você faz algo sem prestar a atenção devida, sem ter um entendimento do que está fazendo, entrará no modo automático.

Podemos dizer que a rotina é uma sequência correta a ser feita, já a monotonia ocorre quando fazemos algo sem perceber que estamos fazendo.

Motivação interna

A motivação é algo que vem de dentro, não conseguimos motivar ninguém.

As nossas motivações são influenciadas através de questionamento que podemos fazer. Quais são os reais motivos que você faz isso? As nossas respostas revelarão as nossas reais motivações.

Exemplo:

Eduardo, por que você é coach?

Porque gosto de reconhecer o potencial das pessoas e extrair suas melhores versões de si mesmas. Meu propósito é que meus clientes tenham excelentes resultados em suas vidas profissionais e pessoais. Isso me motiva a cada dia.

Geralmente, pessoas motivadas procuram a excelência, fazendo mais do que o proposto, entregando mais valor.

Veja o exemplo do meu trabalho: Não entrego somente o que está acordado para aquela sessão. Sempre busco algo a mais para meus clientes. Seja um vídeo, uma matéria ou um artigo que possa ajuda-los em algum momento.

Tempo, tempo, tempo…

O trabalho em si ocupa a maior parte do nosso tempo. Ficamos mais envolvidos com o trabalho do que com a nossa família, por exemplo.

Muitas pessoas, ao alcançar certa idade, fazem a seguinte reflexão: Juntei dinheiro a vida toda e agora não tenho mais tempo e saúde para aproveitá-lo.

Gosto do conceito de “novos ricos” utilizado pelo autor Timothy Ferriss no livro “Trabalhe 4 Horas Por Semana”.

Para ele, as pessoas não precisam esperar até os 60 ou 70 anos para se aposentarem: elas podem viver micro-aposentadorias ao longo da vida. Aproveite hoje o que você tem. Obviamente que você precisará de um estilo de vida que te permita essa situação, mas saiba que essa é uma opção.

Segundo Portella, você precisa definir sua prioridade dentro do período de tempo que tem disponível. Uma coisa de cada vez. Assim, o senso de propósito fica mais forte.

Conclusão

Construir uma carreira com propósito exige uma atitude e um esforço grande e é essencial saber usar o tempo a seu favor.

Precisamos criar um equilíbrio entre as nossas intenções e condições e definir o que é prioritário, para assim seguirmos nossa caminhada sabendo dos obstáculos que encontraremos até o final.

Edzanini Written by:

4 Comments

  1. HERIKA
    maio 16, 2017

    Muito bom o tema discutido. Preciso parar e analisar minhas atitudes, dar valor ao tempo, e priorizar o que realmente importa.
    Obrigada!

    • Edzanini
      junho 6, 2017

      Muito obrigado Herika. Essa reflexão é muito importante mesmo. Qualquer dúvida pode me chamar. Grande abraço.

  2. Ana
    maio 17, 2017

    Muito bom, sempre uma terapia ler suas postagens!

    • Edzanini
      junho 6, 2017

      Muito obrigado Ana. Muito bom ouvir isso. Grande abraço.

Comments are closed.