Dar e receber

Nós vivemos em um mundo em que a correria é constante e o dar e receber é uma incógnita. Estamos sempre em busca de nossos objetivos, vivendo o dia a dia apressados e muitas vezes esquecendo de coisas essenciais para o nosso bem estar.

Constantemente esperamos receber gentilezas e favores de nossos colegas, amigos e familiares. Vivemos em busca de algo que facilite a chegada a nossa meta, no entanto, muitas vezes esquecemos de retribuir aquilo que recebemos.

A cada dia nos tornamos mais individualistas, porém, esse mesmo individualismo só aparece quando nos convém. Ao passo que esquecemos de nossos companheiros quando estamos bem, nos lembramos deles quando estamos por baixo, e aí queremos que eles se façam presentes.

As filosofias do: dar e receber são muito mais do que simplesmente fazer gentilezas para que possamos recebê-las em troca. Trataremos hoje do que Adam Grant fala no livro Dar e Receber. Nele conseguimos aprender uma série de lições para a nossa vida, e que com toda a certeza farão toda a diferença quando começarmos a aplicá-las.

Para entendermos melhor essa questão, separarei em tópicos alguns dos principais pontos tratados no livro. Desse modo você vai compreender a filosofia de Grant e ver como ela fará diferença no seu dia a dia.

Você escolhe quem quer ser

Quando nós conversamos com alguém podemos assumir diversas posturas frente a essa pessoa. Podemos ser defensivos, incisivos ou até mesmo submissos. Essa postura que assumimos é responsável por definir como nós seremos vistos na sociedade e como nossa vida será.

A partir do momento que fazemos a nossa escolha, tudo ao nosso redor acontecerá no mesmo sentido. Se nos tornamos alguém que possui pouco hábito de sorrir, o mundo também não sorrirá para nós. Se não falamos muito, nossas conversas se reduzirão a um número muito pequeno. A nossa vida é reflexo daquilo que nós nos tornamos, e todos nós temos o poder de escolher aquilo que melhor nos convém com relação ao dar e receber.

Adam Grant separa as pessoas em três tipos: os doadores, os tomadores e os compensadores.

Os doadores

Segundo Grant, os doadores são aquele tipo de pessoa que vive constantemente dando muito de si para os outros, sem pedir nada em troca e muitas vezes abdicando de coisas importantes para si pelo bem maior.

A maioria dos doadores possui em sua vida a filosofia de que “tudo que vai, volta”. Sendo assim, eles observam os favores que fazem como algo que depois retornará a eles em um momento de necessidade.

Um exemplo de uma pessoa com estilo de vida doador é Adam Rifkin, em 2011 conhecido como o melhor networker dos Estados Unidos. Ele já disse e várias entrevistas que é adepto do modo “5 minutos”. Se alguém lhe pedir um favor que vai lhe custar menos do que 5 minutos do seu tempo, faça.

Esse modo de vida faz de Adam uma pessoa com uma ampla rede de contatos, o que não significa obrigatoriamente que ele é uma pessoa de muitos amigos. Porém, Rifkin tem a sua disposição uma série de pessoas que lhe fariam alguns favores sem pensar duas vezes, o que seria o dar e receber.

Os tomadores na teoria dar e receber

Os tomadores tendem a ser conhecidos como pessoas um pouco mais “ruins” e menos amigáveis que os doadores. Isso se deve ao fato de eles serem super “charmosos” com aqueles que os interessam, porém, não desperdiçarem sorrisos com quem não lhes tem nada a oferecer.

Os tomadores tendem a ter em sua vida objetivos bastante egoístas, que envolvem exclusivamente o seu sucesso profissional e pessoal, excluindo o bem estar de todos aqueles que estão a sua volta.

Um exemplo de pessoa que apresentou características de um clássico tomador foi Jonas Salk, pioneiro da vacina contra poliomielite. Quando ela foi terminada, em seu discurso Salk falou apenas de suas descobertas e do seu mérito, esquecendo de agradecer a sua equipe de laboratório, que contribuiu com pesquisas essenciais para a produção de tal resultado. Isso fez com que ele fosse mal visto por sua equipe, que caiu em lágrimas quando ouviu suas palavras.

Os compensadores

Os compensadores são aquele tipo de pessoa conhecida como boa, mas com a qual não se deve mexer. Isso porque eles são facilmente adaptáveis, fazem amizades facilmente e costumam tratar bem aqueles que estão a sua volta.

Eles tendem a construir os seus relacionamentos com base na justiça e na reciprocidade, e sempre esperar resultados imediatos de suas trocas.

Em relação aos tomadores, inicialmente os compensadores os tratam bem e de maneira igual, porém, quando sentem que estão sendo injustiçados, não hesitam em devolver na mesma moeda.

Preservando a sua motivação

Por conta de tudo o que leu até agora, você deve estar pensando que ser um doador é provavelmente a melhor escolha a se fazer para a sua vida. Esse pensamento não está errado, porém, é preciso estar atento para não cair nas mãos dos tomadores e viver apenas para lhes fazer favores. Dessa forma, o dar e receber não se encaixa.

A partir do momento que você se torna um doador, deve estar atento para não perder seus próprios interesses dentro desse mundo. Ajudar os outros é muito importante, porém, você também possui uma vida e planos que devem se realizar.

O altruísmo é uma característica essencial para a boa convivência em sociedade, mas deve ser incluído em doses contidas. A generosidade em excesso torna-se patológica, por isso, existem hoje muitos doares esgotados.

Quando um doador está exausto ele pode vir a sofrer de problemas físicos e mentais. Um bom exemplo do dar e receber e de doadores que tendem a ficar cansados depois de muito tempo são os professores.

Durante anos eles trabalham doando o seu conhecimento aos seus alunos e esforçando-se ao máximo para fazer a diferença em suas vidas. Porém, quando sentem que seu objetivo não está sendo atingido, seu rendimento cai e eles podem desenvolver problemas como a depressão.

Como curar o cansaço de um doador

Ao contrário do que muitos pensam, parar de doar não é o remédio para um doador que se encontra cansado. Fazer isso afetaria ainda mais o seu estado mental e a sua saúde, já que ele passaria a sentir que não é mais uma pessoa boa e que sua existência está perdendo o sentido.

O segredo é doar da maneira certa. Quando se está doando no contexto correto, a doação deixa de ser um fardo. Sentir que os seus favores estão realmente fazendo a diferença, e não apenas entrando em uma lista de vantagens faz com que o fardo se torne menor.

Pensando sobre tudo isso, comece pouco a pouco a mudar o seu estilo de vida. Nunca esqueça daquela famosa frase “gentileza gera gentileza”. Converse mais, ajude mais e pense mais sobre aqueles que estão a sua volta, sem nunca esquecer que os seus planos são igualmente importantes.

E aí, quantos sorrisos você já distribuiu hoje? Quantas vezes pensou na teoria dar e receber?

Edzanini Written by: